quinta-feira, dezembro 15, 2005

poesia pós-neodadá

Abri livro de poesia da Adília Lopes, da editora & etc, de 1999 com o extraordinário título Sete Rios Entre Campos e com a metodologia dadaísta li:

Quem fode
fode
fode
quem pode

A seguir abri ao calhas outra página e li sempre a sorrir:

Estou aqui
sem ti

Tu estás
em Chelas

Não vens
ter comigo

Eu não vou
para Chelas

Isto aqui
é Chelas

Eu não estou bem
em Sacavém

e umas páginas atrás:

A trapezista Margot
trabalhava sem rede
mas usava uma rede
para o cabelo

3 comentários:

LA disse...

Eu diria mesmo hiperdada: http://www.felizes.com/congresso/index.htm

FZ disse...

Eu chamar-lhe ia antes um bom exemplo de Haiku japonês, ao melhor estilo luso-Chelas...

;)

Luis Olival disse...

as palavras de adília lopes esgotam-se mal se pronunciam :)