quinta-feira, janeiro 26, 2006

Porto, vol II

09
Humberto Duque

No meu tempo não havia residências artísticas, hoje, tão em voga.O mais próximo da residência artística que fiz, foi pernoitar uma noite no fim de semana passado, no último andar do espaço da MCO reservado para residências e onde conheci o 1º artista a habitar o espaço, Humberto Duque, um jovem mexicano que tem estado em digressão, Alemanha, Japão e agora até Abril no Porto. A linguagem é como a minha, desenho e gramáticas da bd e ilustração, mas não fazemos bd,( eu como se sabe, já fiz nos anos 80) o Humberto nem gosta de ler, nem conhece autores nem tendências.
Os meus anfitriões, Maria do Carmo e Baltazar Torres, pediram-me para desenhar nas paredes do meu quarto- cela. Desenhei ao acordar estremunhada, no domingo, dia de eleições, os brinquedos do sr. presidente. Ainda não sabia quem iria ser o dono do urso cego e ferido e do coelho perneta desdentado.

2 comentários:

fada*do*lar disse...

Gostei bastante do trabalho do Humberto, agora também merecemos uma foto do teu mural ;-D
Acabei de ler o teu post na fadinha (muuuuito obrigada pelo link!).
Já fiz um up-date, está tudo ok. Como tu bem sabes, isto de vivermos num enclave no meio de escadarias, deixa-nos sempre com o coração nas mãos.
(olha os bombeiros a chegarem de helicópetro...)
Beijinhos!

alice disse...

fadinha, esta vais gostar de saber, a pipillotti comprou um video ao humberto! Ajuda sempre um empurraõzito de um artista sénior.
O meu pequeno mural vai ficar resguardado da luz, fechado no sotão, mas pode ser que um dia o deixe sair à rua!!